Kits sanitários chegam às primeiras cidades do MAIS IDH

Terezinha Augustinho da Silva, beneficiada pelo programa em Água Doce. (Foto: Divulgação)

Em Água Doce do Maranhão, município distante 440 quilômetros de São Luís, os moradores vivem a expectativa de recebimento dos primeiros kits sanitários. Os kits correspondem a banheiros e lavanderias conjugadas que estão sendo construídos pelo Governo do Estado, por meio da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema). Cerca de 50 estruturas, de um total de 200, já estão em fase de conclusão.A entrega dos kits sanitários está inserida no Plano Mais IDH, criado pelo Governo do Maranhão para a melhoria da qualidade de vida nos 30 municípios do estado com baixos Índices de Desenvolvimento Humano (IDH). Seis mil banheiros exclusivos serão construídos nestas cidades, 200 em cada uma delas. Trata-se de um investimento de R$ 60 milhões para fazer com que o Maranhão saia de um atraso histórico. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que o estado tem uma carência de banheiros ou sanitários de uso exclusivo em aproximadamente 83,6% das residências maranhenses.

Em diversas casas em bairros da sede do município de Água Doce do Maranhão, as estruturas de alvenaria que estão sendo erguidas pela Caema constroem no coração e na cabeça das famílias o sentimento de que a mudança está chegando por meio do compromisso de cuidar das pessoas, assumido e cumprido pelo Governo. “Eu e meu filho, que mora aqui do lado, estamos recebendo essa melhora aqui, boa demais. Só eu ter um banheiro é bom demais! No dia que receber ele prontinho quero dar muitos abraços em todos que me ajudaram com isso aqui. Sou muito agradecida”, afirma a aposentada Terezinha Augustinho da Silva,70 anos.

A aposentada conta que está sonhando acordada com o dia da entrega. O banheiro que servirá para a família está sendo instalado no quintal da residência e é descrito por dona Terezinha, que mora com o marido e netos, como “um presente de Deus”, já que seu aniversário foi no final do mês passado, quando recebeu a notícia de que o banheiro começaria a ser feito. Calculando os custos da construção, a aposentada afirma que levaria anos para ter um banheiro nos padrões da construção feita pelo Governo. “Minha aposentadoria é pouca, e com os descontos, o que sobra é R$ 500,00. Então não dá para eu fazer”, comenta a aposentada.

As primeiras 50 unidades de um total de 200 a serem instaladas ali, já possuem paredes de alvenaria, cobertura com telhado e, boa parte delas estão, inclusive, com paredes revestidas e pontos para receberem torneiras. Também, já estão à disposição nos depósitos de recebimento deste material, as pias e os vasos sanitários que ajudarão a completar os banheiros em fase de conclusão. “Todo esse material já se encontra na cidade para que, a partir de agora, possa ser feita a dispensa e colocação nos devidos banheiros, tão esperados por estes moradores”, informa George Castro, engenheiro responsável por acompanhar o trabalho de finalização dos kits sanitários.

 

Além de Água Doce do Maranhão, mais 17 cidades vão receber um total de 1.000 equipamentos na primeira etapa do programa. Fazem parte deste lote os municípios de Afonso Cunha, Aldeias Altas, São João do Sóter, Santana do Maranhão, Araioses, Amapá do Maranhão, Pedro do Rosário, Serrano do Maranhão, Arame, Itaipava do Grajaú, Jenipapo dos Vieiras, Belágua, Cajari, Centro Novo do Maranhão, Brejo de Areia, Conceição do Lago Açu e Satubinha.

Outros investimentos

Juntamente com as entregas dos kits sanitários, a cidade de Água Doce do Maranhão está tendo outras carências supridas pelas ações do Governo do Maranhão. Com os trabalhos da Caema, a população recebeu ações para melhorar e ampliar o abastecimento de água na cidade. O município recebeu 13,5 quilômetros de implantação de rede para distribuição de água até as casas e um total de 892 novas ligações domiciliares, que já recebem volume de água em suas torneiras após perfuração de poço tubular de grande vazão na sede.

“Por meio desta obra foi possível levar água para áreas em que a água chegava fraca ou não chegava. Com o poço, as pessoas passaram a ter o direito de usar água de qualidade para necessidades básicas, tomar banho, beber e cozinhar”, explica Francisco Vilar da Silva, secretário de Obras do município que acompanhou a implantação da rede de abastecimento de água feita pela Caema.

Agora, a estruturação do sistema está em fase de construção de um grande reservatório elevado. Quase meio milhão de reais está sendo investido para a implantação do Sistema de Abastecimento de Água Universalizado em Água Doce do Maranhão, o que representa respeito, cidadania, saúde e, principalmente, dignidade à população.